De volta para casa

De volta para casaPT

MS Mendes  Completo
goodnovel16goodnovel
0.0
Reseñas insuficientes
40Capítulos
888leídos
Leer
Añadido
Denunciar
Resumen
Índice

— O senhor vê desenhos nas nuvens? — perguntou, confusa. — Não. Eu vejo destinos... Aldo Nogueira tem o poder de prever o futuro através da posição e formato das nuvens. Porém, seu próprio destino é formado por pequenas tragédias: uma filha que o odeia, um amor fracassado e uma imensa solidão. Viviane, filha de Aldo, fugiu de Serenia para encontrar o caminho que seu pai nunca pôde prever para ela, abdicando de um grande amor. Mas depois de se deparar com um imenso sofrimento, ela está de volta, com uma filhinha pequena, disposta a recomeçar. E ela se depara não apenas com seu amor do passado, lhe oferecendo uma nova chance, mas principalmente com um segredo de seu pai: cartas misteriosas que contam uma história, que nem mesmo as nuvens de Aldo foram capazes de prever.

Leer más
Comentarios Deje su reseña en la aplicación
No hay comentarios
40 chapters
Capítulo 1
Havia rastros de nuvens no céu...            Anoitecia lentamente, e estrelas bem pequeninas começavam a surgir, tímidas, despontando na escuridão.            Havia rastros de esperança no coração de Viviane. Eram como frágeis fagulhas de um fogo já extinto, que pouco a pouco começava a deixar apenas poeira em seu lugar.            Tinha plena noção de que era senhora de suas próprias escolhas. Não que essas escolhas tivessem sido sempre as mais corretas, mas tinha as cicatrizes para lembrar de cada uma delas. E por mais que merecesse todas as consequências, por mais que desistir soasse tão tentador, havia uma criatura angelical, adormecida no banco de trás do carro, que merecia ao
Leer más
Capítulo 2
Até mesmo as paredes estavam impregnadas de lembranças e histórias.            Era como se uma voz, vinda de um ser invisível, sussurrasse cada uma delas em seus ouvidos. Lembrava-se de cada lágrima chorada sobre aqueles travesseiros, cada vez que se olhara no espelho, como uma estranha para si mesma.            E estava ali de volta, àquele mesmo quarto deprimente, sentindo-se da mesma forma.            Lúcia respirava profundamente, naquele sono que somente as crianças conseguem ter: livre de preocupações, puro e leve. Era a oportunidade perfeita para que pudesse começar a limpar e organizar pelo menos o quarto onde iriam dormir.            Ainda havia muita
Leer más
Capítulo 3
Assim que colocou os pés para fora de casa, Viviane soube que aquela breve caminhada teria consequências. Apesar disso, criou coragem e partiu, com a certeza de que só voltaria para casa com um emprego.            Não que as opções fossem muitas ou, ao menos, atraentes. As pessoas em Serenia não costumavam confiar nela, a julgar por seu passado, e algo lhe dizia que mesmo depois de oito anos aquilo não estaria muito diferente.            Tentou a sapataria, uma pequena butique, uma lanchonete, o correio, a floricultura, papelaria... todos os estabelecimentos comerciais da cidade. Só restava um, que era sua última e mais remota opção. O restaurante de Edna Freitas.            Sabia que ali seria aceita sem fazer nenh
Leer más
Capítulo 4
Aquela calmaria era estranha para ela. E o que mais a assustava era estar se sentindo tão em paz exatamente em Serenia. E com uma pessoa que lutara tanto para esquecer. Em vão, é claro.            Mac concedeu aos dois uns breves minutos de silêncio, assim que chegaram ao lago, local escolhido para terem a tal conversa que estava atrasada há oito anos. Ela sabia que a escolha tinha sido totalmente premeditada, uma vez que aquele lugar estava repleto de lembranças para ambos. Viviane podia sentir cada memória enraizada na base daquelas árvores, cada promessa enterrada às margens daquelas águas. Quase sentia que, se tocasse aquele solo, poderia reviver cada cena com perfeição, ouvir cada sussurro e sentir cada sensação de outrora. Era um passado remoto, mas um lugar feliz para se retornar.     &
Leer más
Capítulo 5
A cena parecia familiar demais. Ela estava voltando para casa, depois de passar algum tempo no lago com Mac, e encontrava o pai sentado em sua poltrona favorita, assistindo televisão. E também, para não variar muito, tratava-se de um filme de faroeste, um de seus preferidos. Sua melhor companhia estava ao seu lado: uma lata de cerveja.Viviane sabia que a vida dele se resumia a momentos assim. Aquele era o mundo de Aldo Nogueira, e ao olhar para ele, ela fazia a si mesma as mesmas perguntas de sempre: Será que ele realmente pretendia terminar seus dias daquela forma? Será que já fora realmente feliz?Todas as vezes que iniciava questionamentos como aquele, as respostas que surgiam em sua mente eram as mesmas: podia jurar que ele sempre vivera daquela forma medíocre. Mas a carta que encontrara na caixinha escondida era uma prova de que houvera um tempo feliz em sua vida. Viviane apenas não sabia quando acontecera e
Leer más
Capítulo 6
Pela primeira vez em muitos anos, Aldo acordara e fora trabalhar em sua oficina sem sequer olhar para o céu. Sabia que ele não lhe diria nada muito bom, e não estava nem um pouco bem humorado para notícias ruins.            Ainda era bem cedo, antes das oito, e ele sempre achara aquele o melhor horário para trabalhar, enquanto o tempo ainda estava fresco, o sol começava a aparecer e uma brisa agradável batia, aliviando o calor.            Naquele dia, porém, o tempo amanhecera frio. Apesar de ser um homem resistente a qualquer tipo de temperatura, sentiu-se compelido a colocar um blusão de flanela mais grosso sobre a camiseta, embora seu trabalho exigisse certo esforço físico, o que poderia deixá-lo com calor. Sendo assim, partiu para mais um dia de trabalho. &nbs
Leer más
Capítulo 7
Com toda delicadeza, segurou-a pelos dois braços e a fez sentar-se no chão, ao lado da pia.Mac sabia que ela estava em pânico, e algo lhe dizia que aquela não era a primeira vez que um ataque como aquele acontecia. Havia alguma coisa a incomodá-la, que se alojara em sua mente, que a aprisionara, tornando-a refém de alguma terrível lembrança.Aos poucos, a cor de seu rosto foi retornando, mostrando que ela estava lentamente voltando à consciência. Em instantes, seus olhos encontraram com os de Mac; sua pele parecia estar mais aquecida e a respiração começava a voltar ao normal. Mas ainda assim ele não conseguia deixar a preocupação de lado. Não havia dúvidas de que algo muito grave estava acontecendo com ela.— Fala comigo, Viviane... O que aconteceu com você?— Ah, meu Deus! Eu vou perder o emprego! — Ela col
Leer más
Capítulo 8
Eram pouco mais de oito da manhã, e ele se sentia um estúpido por estar batendo à porta da casa de Aldo Nogueira. Mais ainda para ter a conversa que pretendia ter, que, claro, não adiantaria de nada.Foi Lúcia quem atendeu, com aquele sorriso que poderia matar uma pessoa de tanto amor.— Bom dia, tio Mac.— Bom dia, amiguinha! Posso entrar?— Pode, mas a mamãe saiu para trabalhar.— Eu sei, mas vim falar com o seu vovô. Ele está?— Na cozinha. — E Lúcia abriu caminho para o seu novo amigo passar. Em seguida elevou a voz, para o avô ouvir da cozinha. — Vovôooooo!!! Tio Mac está aqui!Aldo demorou apenas alguns segundos para chegar            à sala. Sua expressão era fácil de ler, e ele demonstrava estar surpreso com a visita.&m
Leer más
Capítulo 9
As luzes da casa inteira estavam acesas, como se houvesse uma multidão ali dentro, mas ela sabia que ele estava sozinho. Quando pediu seu endereço para Edna, tinha consciência que poderia estar cometendo um erro. Era um passo para se magoar ainda mais, e a ele também.            Mas de quê adiantava fugir? Era tarde demais para isso. Seu coração já estava contaminado, infectado por uma doença incurável chamada amor. Ficara oito anos longe dele, e só tivera que retornar para que todos os seus sentimentos viessem à tona. Isso significava que, por mais longe que estivesse seu destino, por mais que caminhasse, seus passos mais certos sempre seriam na direção dele.            Estar batendo à porta dele não deveria fazer com que sentisse borboletas no est&o
Leer más
Capítulo 10
Ele a tomou no colo, fazendo com que desse um gritinho assustado, e sentou-se em uma confortável e grande poltrona que ele mantinha no sótão, para quando trabalhava até muito tarde e se sentia exausto demais para descer até o quarto.            — Mac, e seus pais? — Viviane sabia que a relação de Mac com o pai não era das melhores, afinal, a fama do mesmo na cidade só não era pior que a de Aldo. Ele traía a mulher com qualquer rabo de saia, uma vez que ela era doente, frágil e mal podia se levantar da cama.            — Bem, uma certa manhã eu acordei e me deparei com meu pai em meu quarto, me esperando para ter uma conversa "de homem para homem". — Ele enfatizou a última expressão. — Então ele anunciou que est
Leer más